sábado, 18 de outubro de 2014

Sex Pistols - Johnny Rotten lança novo livro


John Lydon - Anger is an Energy: My Life Uncensored autobiography, published October 9th 2014, via Simon & Schuster
Uma das grandes paixões e motivo de grandes alegrias (e frustrações ainda maiores sempre foi o punk rock, e um dos discos (aquilo preto com buraco no meio feito de vinil mesmo) que eu mais amei na vida foi o divisor de águas
 Ouça aqui
https://www.youtube.com/watch?v=bucVwI0RfEg

Não vou repetir aqui a trágica tragetória da banda, pois isso já  história. Nós, estes seres de outro planeta que não toleramos conformistas e vaquinhas de presépio viemos a este mundo naquela época e hoje vivemos meio igual ao Chaves: ainda nos vestimos e agimos como antes mas estamos usados.

Neste terceiro novo livro, emocionante, Johnny - agora Lydon - fala de sua infância, de sua carreira nos Pistols e no PIL (Public Image Ltd) e tem muitas, mas muitas fotos inéditas. Talvez por isso mesmo se chame Anger is an Energy (raiva é uma energia), meu mantra. E já avisa: ''este livro é sobre alguém que assume riscos, Faço coisas para as pessoas citarem no meu funeral.''
Antes disso ele já tinha escrito ''Mr Rotten Scrapbook'' e ''Rotten no Irish, No Black, No Dogs'' ambos com tiragem limitada a 750 preciosos exemplares.
É inevitável para os fãs fazer uma retrospectiva não só da vida dele como da nossa própria. Cada vez que eu vejo notícias dele depois de muito tempo volto naquele dia no final da década de 70 quando ele veio a São Paulo e eu com cinco pessoas tentamos falar com alguém que para nós era um deus materializado no Brasil da ditadura. E ele mandou Norman (nunca esqueço o nome daquele infeliz) seu segurança impedir nossa entrada.
Mesmo assim minha eterna adoração pela sua música jamais diminuiu nem um milímetro.
Uma das coisas que aaaaaaaaaaaaddddddddddddddoooooooooooooooooooorrrrreeeeeeeeeeeeeeeeiii
foi que desmente muito um outro livro que não preciso mencionar aqui que falava mentiras absurdas a respeito dele e dos Pistols. Talvez até seja uma resposta com a elegância blasée que só os British tem.
Só fiquei com peninha dele se declarar muito traumatizado e carregar uma sensação de culpa por causa do Sid (Vicious).
Enfim, livro legal, 400 e tantas páginas que a gente devora em poucos dias, que eu adoraria poder dividir com vocês não fossem os processos que carrego.

Eu termino com a felicidade de saber que o meu grande ídolo, que desfilava vestido de rainha Elizabeth com toca de banho, e líder de uma geração (de poucos, de raros e loucos) termina sendo um herói nacional alternativo na opinião da crítica especializada.

Compre aqui:

http://books.simonandschuster.co.uk/Anger-is-an-Energy-My-Life-Uncensored/John-Lydon/9781471137198



terça-feira, 23 de setembro de 2014

Buddy Holly - Everyday

terça-feira, 9 de setembro de 2014

A volta do regresso: Falcão grava novo CD

Falcão
"Se vai fazer sucesso, é sempre uma incógnita. Mas quando os músicos com quem você trabalha estão gostando é porque deve ser bom (risos)" Falcão
Image-2-Artigo-1694161-1
Título do novo disco "homenageia o rádio antigo"

Esta postagem é uma clonagem:

Poeta do brega
Em São Paulo para divulgar o divertido "Sucessão de sucessos que se sucedem sucessivamente sem cessar", Falcão fala do 9º disco, que faz referências a Deep Purple, Beatles, Bon Dylan e Zé Ramalho
Oito anos separam "What porra is this" do inédito "Sucessão de sucessos que se sucedem sucessivamente sem cessar". Mais do que uma brincadeira, o título homenageia o programa homônimo apresentado por Paulo Limaverde, na Ceará Rádio Clube.
"O disco demorou para sair por falta de tempo. Trabalhando, fazendo show por todo o Brasil... Ele ficou pronto ano passado e algumas gravadoras chegaram a se interessar, mas aí ficaram enrolando. Com essa história de crise de venda de produto musical, ficam desconfiados... Resolvi lançar independente e só saiu agora", conta ele, que também divide expediente como apresentador de talk show local e ator ocasional.
Um dos artistas bregas mais carismáticos do Brasil (no Facebook, gente famosa como o cantor Nando Reis, o ator Fábio Porchat e o apresentador Danilo Gentili tietaram o cearense) - , Falcão é também um dos mais queridos da terrinha pelo bom humor e o nosso jeito típico de falar que não abre mão nem nas músicas.
Impossível não achar graça dele "filosofando" e "romantizando" na balada "Você é a letra X da palavra Love" - "uma mistura de Raul Seixas com Wando", comenta ele. A composição é inspiradora: 
"Você é o que sobrou do que nunca houve/ na matemática do amor, é um 6 de 69/ você é o que move, renove, o que me comove".

Já na faixa "Coração de Frango", a fossa dá o tom: a dor de cotovelo surge ao flagrar a amada com outro no "churrasquinho da esquina".

"Coração de frango/ perfurado pelo espeto do ciúme/ coração de frango, trespassado pelo espeto da traição".

Em São Paulo para divulgar o álbum e onde fica um mês participando de "uma maratona de programas" de rádio e televisão, Falcão também promete clipes em breve. O primeiro será de "Você é a letra X da palavra Love" e o segundo de "Coração de Frango", que terá roteiro do diretor Halder Gomes, com quem trabalhou em "Cine Holiúdy". Aliás, sobre a faceta de ator, adianta estar confirmado na sequência do longa cearense.
"Já fiz muitas pontas, mas 'Cine Holiúdy' foi interessante porque fala da nossa 'fuleragem' e vamos fazer a 'parte 2' no próximo ano. Possivelmente, vou estar em outro filme que o Halder vai fazer, o 'Shaolin do Sertão'. Na verdade, tô me convidando, nem sei se ele vai me chamar (risos)".
Produtor, Falcão contou com Tarcísio Sardinha (guitarras e violão) e Adelson Viana (teclado e acordeom) dividindo os créditos dos arranjos. O primeiro assina ainda a direção musical, enquanto Viana a mixagem/ masterização. Nas 13 composições, a maioria é de sua autoria, mas há parcerias com Tarcísio Matos e Paraíba e colaboração de Marcos Mairton.
Na ficha técnica, Falcão informa que a concepção de arte da capa é ideia sua: "Selfies feitas pelo próprio autor pessoalmente com a sua própria pessoa". A melhor parte é a explicação de como surgiram as músicas. Além de "Lasque a Rola em Tonha" (um tributo a Bob Dylan - "Like a Rolling Stone), em "Fumando numa quenga" ele peita um gigante do rock n' roll. "Que Deep Purple que nada, eu entendo muito mais de fumaça e aquecimento global".
Invocado como é, tenta fazer história nas paradas com "Feito Vaca". "Zé Ramalho fez 'Admirável Gado Novo', aí fiquei ensimesmado, feito vaca, e deu no que deu". Já "Tradução simultânea" é um recado "para quem ainda não entendeu o bodejado lítero musical dos rapazes de Liverpool".
Fonte: http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/zoeira/coluna/sound-1.160/materia-1.1096408

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Doentes que podem se benficiar do uso medicinal de Cannabis - a maconha

Estudos de profissionais da medicina e das pesquisas da área médica, apontam que a marijuana pode ser usada em tratamentos de saúde. A Cannabis, mais conhecida como maconha, é considerada uma droga por agir no sistema nervoso, alterando a percepção das pessoas.  Dessa forma, a maconha medicinal poderia ser legalizada e comercializada no tratamento de algumas doenças.
O princípio ativo da maconha, o canabinoide THC (tetrahidrocanabinol), atua em diversos sintomas de várias doenças, dependendo da quantidade presente na maconha. Existem tipos da cannabis que possuem um teor de THC mais elevado e servem para certas doenças e outros tipos com um teor de THC mais baixo, para doenças mais simples. Entre as doenças que podem ser tratadas com a maconha medicinal estão: AIDS, câncer, TDAH (Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade), esclerose múltipla, náusea decorrente da quimioterapia, doença de Crohn, glaucoma, epilepsia, insônia, enxaqueca, artrite e falta de apetite, anorexia, síndrome de Tourette, mal de Alzheimer, distrofia muscular, fibromialgia, caquexia e esclerose lateral amiotrófica.
Existem pesquisas científicas que tentam desvincular o poder curativo da maconha do efeito que altera a percepção das pessoas. Entretanto, os estudos indicam que o THC da maconha medicinal que dá às pessoas “um barato” age juntamente com o seu poder curativo, por isso ainda se tem opiniões contra o uso medicinal da maconha, uma vez que parte da comunidade médica desaprova o efeito de “droga” que ela possui.
Na verdade, o THC da maconha medicinal age ligando-se aos receptores de endocanabinoide do cérebro, ocasionando no usuário uma redução de ansiedade e dor, mas também uma alteração da consciência.
Veja alguns exemplos de doenças em que a maconha ajuda no tratamento:
Câncer: a quimioterapia causa fortes enjoos e os remédios que existem para combater esse sintoma são ineficazes. Ao tratar pacientes com câncer com maconha, enjoos e náuses foram aliviados.
AIDS: como a maconha desperta fome nos usuários, ela é importante para ajudar a recuperar o peso dos portadores do vírus HIV. Isso pode prolongar a vida dos soropositivos, uma vez que, quando magros, ficam com o sistema imune mais debilitado. O único problema é que não existem estudos suficientes na área para provar se a maconha causa interferência no sistema imunológico.
Esclerose Múltipla: a maconha é usada para aliviar os sintomas da esclerose múltipla, como espasmos musculares, dor intensa e mau funcionamento dos intestinos e da bexiga.
Dores em geral: a erva é considerada um analgésico. Os casos mais comuns são de cólicas menstruais. Nos locais onde o seu uso é liberado para fins medicinais, os pacientes que passaram por alguma cirurgia podem optar pelo seu uso.
Glaucoma: para obter eficácia no tratamento do glaucoma, seria necessário uma dose de maconha a cada 3 ou 4 horas. Isso porque a doença aumenta a pressão intraocular e a erva diminui essa pressão. O único problema é o alto nível de “chapadez” do usuário, por isso não é tão recomendada.
No Brasil, o uso medicinal da maconha é proibido. Mas há muitos países nos quais a maconha já tem permissão para ser cultivada ou comercializada (seja para fins medicinais ou recreativos). São eles: Austrália, Canadá, Espanha, EUA, França, Holanda, Israel, Itália, Reino Unido e Suíça. No Brasil, a pena para quem produz ou trafica maconha é de reclusão de 5 a 15 anos e multa de R$ 500 a R$ 1.500.
Jundson dos Santos Silva, Yahoo!

quinta-feira, 1 de maio de 2014

What? Wattpad

O wattpad é um site muito fácil de se utilizar, não tem as armadilhas de clube de autores, perses (perdas de tempo) e outros que travam e nem Cristo consegue publicar nada. E o pior: não há divulgação ou leitores. Só uma miríade de escritores.
Se é para escrever por escrever e registrar em algum local, o wattpad cumpre esta função. 

Visite o meu perfil e minhas obras lá e confira:

http://www.wattpad.com/user/AWildGarden




terça-feira, 1 de abril de 2014

Celebrating April Fool's Day

Em 01 de abril de 1966, David Bowie lançava seu primeiro compacto, com a música "Do Anything You Say"...

https://www.youtube.com/watch?v=Ux9Rb76Ac8I



Nesta fatídica data também ocorreu o golpe militar que destruiu o país e o cérebro da população irreversivelmente.

Neste dia, lastimavelmente, Marvin Gaye foi assassinado por seu pai. Um anos antes Marvin começou a ficar depressivo, cismando que alguém queria assassiná-lo. Por isso deu uma arma de presente para o pai se defender em caso de ataque. Um dia antes de completar seu 45º aniversárioAcabou assassinado pelo pai, o pastor  Marvin Pentz Gay Sr. foi assassinado com um tiro (por seu próprio pai!), após uma briga iniciada quando os pais de Gaye discutiam sobre a perda de documentos de negócios. A ironia é que Gaye foi morto pela arma calibre 12 que ele próprio havia dado de presente para o pai.

Abaixo em foto com a lacraia mercenária Diana Ross





domingo, 16 de março de 2014

Polícia interdita rodovia para procurar pênis perdido

Main Entry Image













A polícia de Middlesbrough, England fez esta façanha após encontrar às margens da movimentada rodovia desorientado e com o pênis cortado.
Um rapaz de 22 anos foi preso para averiguação e a vítima foi para o hospital e ali ficou em coma induzido.

sexta-feira, 7 de março de 2014

quinta-feira, 6 de março de 2014

Sobre psychocarnival, zombie walk carnavalesca e fins afins

Muitos ignoram que um grupo que antes foi pequeno, mas ruidoso que só, conquistou outras minorias pelo Brasil afora e até pelo mundo, oferece alternativa àqueles que não suportam toda aquela hipocrisia e pornografia escancarada que é o carnaval.
Esta alternativa, pra mim, desde que descobri em meados dos anos 1990 a cidade de Curitiba e, supreendentemente, uma micro cena (naquela época) undergound, é o Psychocarnival. Este ano, a 15º edição do festival Psycho Carnival teve dois momentos: um no Jokers Pub e outro no rock carnaval, organizado surpreendente pela mesma prefeitura que proibiu que o Misfits se apresentasse na cidade. As atrações nacionais foram nada mais, nada menos que  KráppulasSick Sick SinnersCrazy HorsesThe Brown Vampire Catz e Ovos Presley (que acabou não tocando por um malfadado acidente - na minha opinião, macumba). As internacionais: Salidos de La Cripta, da Colômbia e as austríacasBurning Aces e Anal Destination.

http://www.youtube.com/watch?v=3VGgcXTOkyA&list=UUVo5eSyTqwE-RLea0AWCw3Q&feature=c4-overview

Na seção que seria gratuita e evento aberto (o que não aconteceu e resultou até em facadas) teve as atrações Beijo AA Força,Pelebrói Não SeiHillbilly RawhideMotorockerCadela Maldita Mystery TrioDiablo Fuck Show (Porto Alegre), Camarones Orquestra Guitarrística (Natal),King Kurt e The Sharks (Inglaterra) e The Mullet Monster Mafia (Piracicaba).

http://www.youtube.com/watch?v=IHQRRpL-0sc

Como o blog é meu e eu falo do que eu quiser, tenho que reconhecer que todos fizeram os shows mais incríveis, mas, como já estou há anos no bico do corvo e morrendo uma morte muito lenta, - os ocasionais seguidores já leram - mas com períodos de melhoria, consegui assistir uma noite toda, que tinha exatamente uma banda que orquestrou grandes momentos desta vida pregressa, por um acaso, muitos dos piores, mas a culpa não é de ninguém. Viver é alto risco, e eu sempre corri. Pago o preço. E não me arrependo de pelo menos 20% das minhas decisões.

Quando me mudei pra Curitiba, o que ocorreu gradativamente até oficializar nos início do 21st century breakdown, a minha paixão eram os Ovos Presley. Apesar de já existir o Pelebroi, eu, burramente, acreditava num bando de zé inveja que dizia que eles e o No Milk Today, Relespública, Tetris, Magaivers, Faicheclairs, etc... eram uma panelinha de mimimi mimimi mimimi. O tempo mostrou que era o contrário. Hoje estas mesmas pessoas estão na fila do gargarejo de seus shows, alguns dublês de jornalantas.

http://www.youtube.com/watch?v=nNKJz2AO47U&list=UUVo5eSyTqwE-RLea0AWCw3Q&feature=c4-overview

A Wild GardenJá falei aqui do meu grande amor pelo No Milk, então esta edição será dedicada a favorita da minha primeira filha, dos meus ''enteados'' e de músicas que sempre fizeram parte do nosso dia a dia. Uma coisa que a gente não escolhe, ela acontece. Fiquei lembrando da Curitiba fria enquanto derretia a fantasia de zumbi numa multidão da Zombie Walk (no começo eram poucos gatos pingados e a população xingava um monte). Quase nem entro de tanta gente, mas, acabei cabendo lá dentro depois de horas de espera.

Até que após um mega show do Cadela Maldita

http://www.youtube.com/watch?v=nEZ-BB_igys

que me lembrou a primeira vinda do Slayer, lá vieram os primeiros acordes do que seria um show em que consegui me manter de pé o tempo todo e ainda bangear como nos tempos do Michael.
Eu já fiz uma entrevista nos tempos do falecido E-zine da cooperativa nacional de zineiros, e do projeto fracassado blá blá blá e é com esta que começo:

http://www.youtube.com/watch?v=nNKJz2AO47U&list=UUVo5eSyTqwE-RLea0AWCw3Q&feature=c4-overview

Fiquei ali ouvindo aquelas músicas e lembrando da minha filha mais nova pequenininha, da loucura que me deu pelo meu marido e de tanta doidice que fiz em nome de um amor doente e incompreendido (coitado) que dura até agora de minha parte pelo menos, mas, nós, os escritores, somos, como diz o Lewd, obscuros, de mente sub-reptícia. 
E se às vezes a gente consegue o que quer em todo ou em parte, é estranho olhar pra trás. E naquela montanha de gente num lugar em que até os New Yorkers que aparecem pra tocar são enxotados e roqueiro é tido como lixo, fiquei me sentindo que tinha ido ao lugar errado, mas o som tava certo e tava valendo.
Começaram com a maravilhosa Teddy Holiday Club que é a cara do festival. Parecia que eu estava abrindo de novo os cds Positivamente Mórbido e o Lágrimas Alcoólicas.

http://www.youtube.com/watch?v=JMoDl9_7TMc&list=UUVo5eSyTqwE-RLea0AWCw3Q&feature=c4-overview
Quando tocaram Céu sem cor, a mais conhecida, e por isso uma da que eu menos ouvia, embora tenha feito umas mil paródias como faço com tudo que ouço, chorei e ri muito, porque ali se encerrava um capítulo importante da nossa saga com chave de ouro sonora. Quem diria que ao contrário de ''tudo é tão legal, basta não sonhar'' não fosse virar inscrição na minha urna e sim ''tudo que era alegria hoje é um céu sem cor'' poder virar uma tatuagem. Somos Assim encerrou este, que deve ser o último show a que consegui assistir (em pé pelo menos e alive and kicking). Obrigada, de coração, a esta banda, cujas músicas me acompanharam em tantos momentos terríveis em que eu esgoelava as frases, cortava o dedo em corda de aço, e aliviava a alma. Obrigada por terem criado estas músicas.
As facadas, surpreendentemente, desta vez não foram em mim. E garotos, seus pais, crianças e bebês se juntaram numa celebração do que é o rock. Isso é rock. And roll.


É, o inferno pode congelar. Curitiba não é mais curitiba. Eu fui embora e comigo, foram nas, célebres palavras do No Milk Today, voltaram ''pra sua cova, geração maldita, que um mundo viciado em futuro nos deixou''.



terça-feira, 4 de março de 2014

Jornalantices

Quando comunicam que o jornal vai passar por uma reestruturação

image



Eu ainda me lembro do enorme desgosto com o curso de jornalismo, a tristeza por ter de abandoná-lo pelas velhas politicagens de universidades com bolsistas, e a risadaria que foi quando foi extinta a obrigatoriedade do certificado.

Mas, hoje vejo que isso foi positivo: quem escreve, maioria, é quem entende do babado! Só que não! hahahaah

Mas, sério, tem muita gente especializado escrevendo e é legal.
Não sei por que sempre adorei os grandes jornalistas, os âncoras e jurava que seria uma daquelas pessoas que tem o próprio programa. Tive um no rádio dando notícias de rock. Acabou com duas horas, contando a história dos estilos e bandas. Por isso  ''eu não aguento'' quando vejo um desinformado pagando de jornalanta.

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Walcir Challas e a Woodstock na Warner!

  • Walcir Chalas Estará no Warner Channel Brasil hoje as 23:40 

  • no documentário - Heavy Metal no Brasil!

  • p quem conhece o verdadeiro metal e quer ver uma voz conhecedora dando declarações embasadas 

  • em vez do monte de otário q vemos usualmente, 

  • ou p quem ñ conhece q quer saber do q se trata, 
  • HEAVY METAL BR!
  • http://www.warnerchannel.com/?idlanguage=por&idcountry=5

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Uma lenda chamada Lemmy Kilmister




Muitos astros começam ''causando''. Começam se enfeiando, inventando gestos obscenos, protestos e demais mimimis e de repente vão se ''aviadando'' - e não tomem isso como homofobia, é a única palavra qu e cabe no afrescalhamento a que se dedicam após uns míseros trocados e conseguir pegar uma famosidade. Somente um deles tem sido fiel e linear e por isso genial em sua verossimilhança: este homem se chama Lemmy Kilmister e do Olympus nos legou o Motörhead.
Porém o tempo, este mau, sempre vem de sopetão nos mostrar que nossa vida já acabaou há décadas e  que de repente somos poeira ao vento fazendo hora extra sobre a terra. Hoje o rock e o metal são sinônimos não de protesto, de mudança ou de atitude, mas de grifinhas baratas, cabelos chapinha e batom boticário e perfume fedido de baunilha.

Apesar de ainda entre nós, o momento de o perdermos se encaminha a passos largos. E um pedaço imenso da minha inconformidade com o rumo cada dia mais afrescalhado e fútil que toma a humanidade está para desaparecer, pois ele não deixa herdeiros.

Embora visto como um dos deuses, seu corpo humano começa a dar sinais de fraqueza e sua imensa legião de fãs não foi suficiente para produzir alguém que desse o maior foda-se a tudo que é monocromático na vida e na arte.

Posso perdê-lo. Poucos, como eu, os raros e loucos, como dizia Hermann Hesse, sentirão um golpe fatal. Coisa que a geração gaminho nunca entenderá. Assim como ele, desapareceremos deste mundo, sem deixar outros que continuem a viver a vida plenamente, visceralmente e mostrando que isso é possível. A frescuragem continuará. A arte sempre indo só pelo caminho da anorexia. A pedofilia reinando. Mas lá numa galaxia distante, tenho fé, estará nos esperando Lemmy Kilmister.

...e antes deste dia, quando uma vegetação cor de vinho num céu verde nos acolher, estarei lembrando da orça que teve nossa geração.