quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Saudade, segundo Lareçon, O Cartunista:

Saiu no
Boca suja - The fanzine


A saudade corrói. É triste e suave. Ela nos torna amargos, chorosos e saudosos.

Quando chega, faz com que tudo lembra quem ou o que deixou saudades. Chega e se instala. Faz-se de tudo para espantá-la, mas não adianta. Ela fica, faz casa bem rapidinho dentro do coração e da mente. Tudo, mas tudo mesmo lembra o que não se quer lembrar. É dona do ultimo pensamento de um dia e do primeiro do outro dia. Só da ela. Não sai. Não da trégua. O sorriso é saudoso. A lagrima é saudosa. A brincadeira é saudosa. Nada a espanta ou a afasta. Ela é companheira inseparável e imensurável, apaixonada e dedicada, cruel e assassina, leva embora a alegria, tira o sossego, a paz. Ela é que dirige nossa vida agora.


O vento é motivo de saudade! A chuva também!! O sol igualmente!! Uma musica, um brinquedo, um espelho, uma fotografia, uma comemoração, um amigo, um colega, uma rua, um carro, um aroma, a fragrância de um perfume... traz lembranças...traz saudades...melancolia!! Nostalgia!!!


Primeiro, lágrimas, muitas lágrimas, lamentações, choro compulsivo. Vontade de sumir de morrer...Aquela sensação de sufoco, de inquietude, de desconforto.


Lentamente a dor vai amenizando, as lágrimas diminuem, tornando-se escassas. Chega o tempo que somente uma ou outra insiste em escorrer.

O sorriso retoma o seu lugar.

A saudade se transforma. Passa a gostosa lembrança.

Contudo, basta um motivo banal, para que tudo seja revivido e sentido. E ela esta la novamente, talvez com mais suavidade, mas batendo o ponto,dizendo que nunca se foi totalmente, somente...deu um tempo...

(Rosane Roehrs Gelati)



e-mail – Rosane.r.gelati@gmail.com



(texto extraído do jornal Letras Santiaguenses)




.-.-.-.--.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.
O bom de não estar escrevendo monografia mesmo que para vender, é poder dar minha opinião:
Saudade tem remédio.

O duro é que é amaargooo! Igual a uma dose de Ypiroka do Amauri Dumbo. Aí se descobre que o gosto da saudade era melhor, era doce. Mas era o doce-ilusão. O remédio da saudade é a verdade. A mesma "verdade te libertará!". No meu caso tomei uma dose elefantina no dia em que descobri que com o computador na beira da cama e podendo postar do celular muitos do que tinha saudade não eram o que eu me iludia acreditando que fossem, preferindo me esquecer e ignorar. Respeito escolhas. Sarei de 90% da saudade. 10% ficou e para isto não encontrei remédio ainda!!

Um comentário:

  1. Como diz aquele poéta popular "A saudade dói..." mas até quando?

    ResponderExcluir

Lave a alma aqui no blog! Estamos aqui para ouví-los!